quarta-feira, 30 de abril de 2008

P R O J E T O S

Foto: © Daniel De Granville, 2004


Um dos pioneiros a realizar turismo científico no Brasil, sendo a instituição mais conhecida no país a desenvolver esta atividade, é o Projeto TAMAR. Através de pesquisas científicas e ações de conscientização ambiental junto a turistas e comunidades tradicionais, o TAMAR protege cinco espécies de tartarugas marinhas que ocorrem em nossas praias. Dez de suas 22 bases de pesquisa ao longo do litoral possuem centros de visitantes que recebem cerca de 1,5 milhão de turistas por ano. Uma das atividades mais apreciadas pelos participantes são as saídas noturnas para ajudar os pesquisadores durante as desovas de tartarugas na areia, a um custo de aproximadamente R$ 60 por pessoa.


Na região do Pantanal, os seguintes projetos se destacam na realização de turismo científico:




Projeto Arara Azul
Idealizado pela bióloga Neiva Guedes, pesquisa a biologia e relações ecológicas da arara-azul-grande, Anodorhynchus hyacinthinus, realiza o manejo e promove a conservação da espécie em seu ambiente natural, além de estudar outras espécies que co-habitam com a arara azul no Pantanal, caso das araras vermelhas, tucanos, gaviões, corujas e patos-do-mato. A área de estudo cobre mais de 400 mil hectares no Pantanal, principalmente em Mato Grosso do Sul. Neste projeto, o turista pode acompanhar os pesquisadores em campo no monitoramento dos ninhos de araras e outras atividades, dependendo do período do ano e prioridades da equipe.



Projeto Gadonça
Projeto ambiental de caráter científico, conservacionista e educacional, cujo objetivo principal é estudar a interação entre grandes predadores carnívoros silvestres e animais domésticos na região do Pantanal de Mato Grosso do Sul. Sob comando dos biólogos Fernando Cesar Cascelli de Azevedo e Ricardo Luís da Costa, é parte do Instituto Pró-Carnívoros e conta com o apoio Institucional do Centro Nacional de Pesquisa para Conservação dos Predadores Naturais, CENAP/IBAMA. O Projeto desenvolve atividades de pesquisa, manejo, turismo científico e treinamento de estudantes e profissionais da área ambiental. A programação oferecida aos turistas inclui palestras e saídas a campo com os pesquisadores para rastreamento das onças, além de atividades como a busca por presas atacadas por estes felinos, em dois programas distintos: o "Turismo Científico" e o "Ecovoluntários".



Projeto Onça Pintada
Apresenta similaridades com o Gadonça, sendo mais focado em estudar uma única espécie de felino. A missão é promover a conservação da espécie, de suas presas naturais e habitats, bem como sua coexistência pacífica com o homem. A gestão do projeto está a cargo do Fundo para a Conservação da Onça Pintada ("Jaguar Conservation Fund"). Entre corpo técnico e administrativo, o projeto envolve diretamente mais de 40 pessoas, além de auxiliares nas áreas onde as pesquisas são desenvolvidas. A programação de campo para turistas depende da disponibilidade dos pesquisadores, sendo necessário consultar previamente.



Earthwatch Institute
Não se trata exatamente de um projeto de pesquisa. O Instituto Earthwatch, sediado nos Estados Unidos, promove expedições ao Pantanal com pessoas do mundo todo interessadas em participar ativamente de pesquisas científicas durante um período de aproximadamente duas semanas. As viagens ao Pantanal são lideradas por pesquisadores de instituições brasileiras que coordenam as atividades, garantindo o rigor científico do trabalho. Como a grande maioria do público é composta por estrangeiros, as atividades geralmente são desenvolvidas em inglês, mas também há grupos especiais em português. Em 2008, os estudos podem ser realizados com répteis, anfíbios, morcegos e ariranhas.



NCSU Sci-Link
Vinculado à Universidade Estadual da Carolina do Norte (NCSU – EUA), o projeto dedica-se especialmente à educação para a ciência, com ênfase na área ambiental, conectando cientistas, educadores e estudantes. Promove eventos e viagens com educadores formais e não-formais, com o objetivo de vivenciarem experiências científicas para depois as aplicarem em sala de aula, traduzindo os resultados de pesquisas em conteúdo e práticas educacionais. Anualmente, em parceria com o Instituto Sangari, o NCSU Sci-Link promove expedições ao Pantanal e Bonito com educadores dos Estados Unidos.



Projeto papagaio-verdadeiro
Tem como objetivo gerar informações sobre a biologia e ecologia do papagaio-verdadeiro, Amazona aestiva, que possam auxiliar na tomada de decisão sobre a conservação da espécie e dos ambientes onde vive. Começou em 1997 por iniciativa da zootecnista Gláucia Seixas, que acabou desenvolvendo sua especialização, mestrado e atualmente doutorado em Ecologia e Conservação, pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, sobre estas aves. O Projeto procura ainda atentar para outro aspecto: a criação de papagaios como animais de estimação no Brasil, atividade profundamente enraizada à cultura popular. As saídas a campo com turistas podem envolver atividades como monitoramento de ninhos e busca por indivíduos da espécie equipados com transmissores que permitem seu rastreamento remoto.


COMO PARTICIPAR DOS PROJETOS
.
Perguntas? Comentários? Se você observou alguma informação incompleta/incorreta, ou ainda souber de outros projetos de turismo científico que não tenham sido contemplados na lista acima, por favor envie um recado!
.
.
.

6 comentários:

Fernando Soares disse...

Daniel, acho que cabe colocar a Global Vision International também aqui nesta página:

http://www.gvisin.com/category/south-america/brazil/

Abraços e PARABÉNS pela iniciativa!!!

Fabi Bettú disse...

Daniel.. Parabéns pelo seu blog, Uma grande ferramenta de pesquisa nesse novo segmento chamado turismo cientíco. Tenho bastante interesse na parte de turimmo científico ou no meu caso o "geoturismo" (estou me formando em geologia)e acho interessante a interdisciplinariedade no turismo científico (geólogos, biólogos, geógrafos, historiadores, etc..) Sabe me informar algum projeto que englobe diversas disciplinas? Estou tentando desenvlver um projeto nesse sentido, mas tem muito pouco material de consulta.. Mas interessante o pessoal já estar utilizando o tema Turismo cientifico... Mais uma vez parabéns.. Abraços

Valeria disse...

Olá Daniel!

Uma contribuição: o Ecovolunteer Program está há 11 anos no Brasil - http://br.ecovoluntarios.org e http://www.ecovolunteer.org. Abraços!

Valeria disse...

Olá Daniel!

Uma contribuição: o Ecovolunteer Program está há 11 anos no Brasil - http://br.ecovoluntarios.org e http://www.ecovolunteer.org. Abraços!

rosa disse...

Daniel, parabens, suas reportagens vão servir para meu TCC........continue eh muito interesante.
Rosa Maria

Anônimo disse...

Oi Daniel, meu nome é Fábia, eu gostaria de ter algumas informações sobre turismo científico, se possível entre em contato, obrigada, fabiaceramica&gmail.com